20 de maio de 2008

Da arte de não ser social

A maioria das pessoas age de maneira a melhor interagir em sociedade. É o princípio da convivência saudável e, convenhamos, muitas vezes hipócrita. Descobri que tenho preguiça de ser social. Não sociável, isso eu sou. Interajo muito bem em (quase) qualquer ambiente.


Mas tenho uma preguiça gigantesca de ser social. De fazer de conta, de fingir o que não é. E achei interessante porque quem disse isso havia acabado de me conhecer. Que sou intenso, profundo etc. e tal. Mas não vim aqui encher minha bola de forma alguma. Só achei interessante esse conceito e percebi que me aproximo de muitas pessoas assim.

Um comentário:

Fernanda disse...

intenso.

isso tá virando provocação, adriano.